20
Nov 07

Pois o retrato!

Aquela agitação, aquele azul, aquela rumo, aquela chuvarada, só aquilo, foi aquilo que me fez perde-lo, parecia um filme. Só quando me lembro daquele instante, foi para deslembrar.

Por vezes pergunto me mas porque que não fui eu em vez dele, ele não merecia isto.

Era tão amável, tão querido, tão amigo, tão PAPÁ…aquele ultimo sorriso era belo, seus olhos cintilavam com eu nunca tinha visto, eu perdi-o e nada pode mudar isso, mas amaldiçoado acidente, porque que ele me foi buscar aquele jogo, porque?

Amaldiçoado jogo que ate me tinha corrido tão bem, mas quando lhe ia para dizer a novidade do meu jogo sucedeu aquele amaldiçoado acidente, amaldiçoada estrada, amaldiçoada chuva.

Em casa uma enorme dor anda por lá, ninguém tem desejo de viver, mãe, minha mãe tão infeliz, e logo ela que era a alegria da casa.

Quando olho para o quadro dele o que eu mais quero é tê-lo aqui de volta, saudades das nossas brincadeiras, sinto falta do “BOA NOITE…DORME BEM” do meu pai, eram os nossos momentos, ricos momentos, nunca os vou esquecer, mas a vida é assim e ninguém pode mudar isso.

Sei que vou demorar muito a habituar-me a estar sem ele mas tenho de conseguir.

Com lágrimas no rosto lembro me dele, com lágrimas no rosto rezo por ele, mas com um sorriso na cara penso nos nossos momentos admiráveis que passamos juntos que são os momentos que nunca vou deslembrar!

 

publicado por FlAvIa dIaS às 21:09

Outro blogue parado?
Um bom Natal!
Prof. Paulo Faria a 22 de Dezembro de 2007 às 01:14

Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO